Detachol®
Removedor de curativo

Detachol.png

Detachol® é um removedor líquido ideal para curativos.

  • Aplicação fácil e rápida

  • Indolor

  • 100% eficaz

  • Reduz o risco de infecções microbianas

  • Evita danos à pele durante a retirada de curativos

  • Não compromete a barreira da pele

Descrição:

Adesivo líquido para remoção de curativos e esparadrapos. 

Lacerações da pele e bactérias que se reproduzem em resíduos dos adesivos de curativos podem ser fontes de infecções hospitalares. Detachol® remove completamente esses resíduos, minimizando o risco de infecções.

- Fita adesiva é fonte potencial de infecções hospitalares;

- Retirada da células podem causar lacerações na pele;

- Quando a pele fica exposta à umidade, o risco de colonizações bacterianas aumenta;

As trocas de curativos são frequentemente dolorosas. Por isso, a remoção do curativo inadequadamente da pele sensível do entorno da ferida pode provocar danos inflamatórios, edemas e dor.

A utilização de um solvente para quebrar a ligação entre o adesivo e a pele é recomendada como uma abordagem para prevenir lesões.

Assim, Detachol® elimina e reduz a ansiedade e a dor do paciente durante a remoção do curativo, e é seguro para todos os tipo de pele. Com isso ele não compromete a barreira de qualquer pele.

detachol1.jpeg

Trauma resultante da remoção da fita adesiva ou curativo pode:

  • Aumentar o tamanho das feridas;

  • Atrasar o processo de cura;

  • Agravar o sofrimento causado pela ferida.

Detachol® é seguro para peles sensíveis de todos os tipos de pacientes, incluindo geriátricos e pediátricos.

Protege o paciente e preserva sua pele.

  • Pode reduzir os custos físicos, emocionais e monetários de remoção adesivo relacionados à infecções da pele adquiridas em ambiente hospitalar; 

  • Não irrita ou seca a pele;

  • Livre de álcool, acetona e látex;

  • Não degrada luvas estéreis como removedores de curativos à base de álcool;

  • Não deixa resíduos oleosos na pele;

  • 1 ampola equivale a 4 ou mais lenços removedores de adesivo.

NPWT.png
cateter.png
tubo.png

Referências técnicas:

1. Fact Flow Research. Detachol Experience Program: Final Report. Chicago, IL: Fact Flow Research; 2013.

2. Rippon M, White R, Davies P. Wounds UK. 2007;3(4):76-86.

3. Berkowitz DM, Lee WS, Pazin GJ, Yee RB, Ho M. Appl Microbiol. 1974;28(4):651-654.

4. Redelmeier DA, Livesley NJ. J Gen Intern Med. 1999;14(6):373-375.

5. Lawton S, Langoen A. Assessing and managing vulnerable periwound skin. World Wide Wounds. October 2009. Available at: http://www.worldwidewounds.com/2009/October/Lawton-Langoen/vulnerable-skin-2.html.

6. Bryant RA. Types of skin damage and differential diagnosis. In: Bryan RA, Nix DP, eds. Acute and Chronic Wounds: Current Management Concepts. St. Louis, MO: Elsevier Mosby; 2012: chap 5:83-107.

7. Coha T, Bryant RA, Nix DP. Skin care needs of the pediatric and neonatal patient. Part I: The pediatric patient. In: Bryan RA, Nix DP, eds. Acute and Chronic Wounds: Current Management Concepts. St. Louis MO: Elsevier Mosby; 2012:chap 36:485-502.

8. Pennsylvania Patient Safety Authority, Patient Safety Advisory. Skin tears: the clinical challenge. Accessed October 3, 2012. Available at: http://patientsafetyauthority.org/ADVISORIES/AdvisoryLibrary/2006/Sep3(3)/ Pages/01b.aspx.

9. Rolstad BS, Bryant RA, Nix DP. Topical management. In: Bryan RA, Nix DP, eds. Acute and Chronic Wounds: Current Management Concepts. St. Louis, MO: Elsevier Mosby; 2012: chap 18:289-306.

10. McNichol L, Lund C, Rosen T, Gray M. J Wound Ostomy Continence Nurs. 2013;40(4):365-80; quiz E1-2.

11. Fowler JF. Data on file. Eloquest Healthcare, Inc; 2008.